Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida de um Cinéfilo

Vida de um Cinéfilo

20.Fev.18

The Shape of Water (A Forma da Água, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
   Durante a Guerra Fria, Elisa, uma funcionária muda recém-chegada a um centro de investigação americano, face a novas descobertas e perigos, desenvolve uma afetuosa relação com uma criatura anfibiana humanoide, disputada entre a América e a União Soviética.     O filme foi escrito e realizado pelo mexicano Guillermo del Toro, uma mente extremamente imaginativa que opta mais uma vez por desenvolver personagens e um conflito dentro do seu mundinho pessoal de monstros (...)
04.Fev.18

Phantom Thread (Linha Fantasma, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     Por falar em Daniel Day-Lewis, vamos falar sobre um dos mais elegantes filmes do ano e a sua oferta de despedida! Na década de 50, em Londres, Reynolds Woodcock, um costureiro de renome fundador de uma firma de vestidos direcionada à nobreza, vê a sua vida descarrilhada depois de se relacionar profissional e pessoalmente com uma jovem modelo.     O filme foi escrito e realizado pelo Paul Thomas Anderson, um dos homens em atividade que exerce a sua profissão de maneira mais (...)
04.Fev.18

There Will Be Blood (Haverá Sangue, 2007) - Análise e Crítica

Francisco Quintas
     Phantom Thread, o último trabalho do Daniel Day-Lewis, já chegou a Portugal. Falaremos sobre There Will Be Blood, que fez 10 anos e demonstra o ator na sua melhor forma. Atenção: Este texto contem SPOILERS!   Baseado no livro Oil!, de Upton Sinclair, publicado em 1926, o filme começa em 1898 e segue Daniel Plainview, um pequeno, porém ascendente “homem do petróleo”, na sua tentativa de perfurar os terrenos de uma cidade pacata de Little Boston.  O filme foi escrito e (...)
03.Fev.18

Darkest Hour (A Hora Mais Negra, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     O filme começa em Maio de 1940, na Inglaterra, e segue os esforços desesperados do recente primeiro-ministro Winston Churchill que, depois da sua inesperada e indesejada eleição, mede forças com os membros do Parlamento Inglês, com a Alemanha e com ele próprio.   O filme foi realizado pelo inglês Joe Wright, responsável por Pride & Prejudice e Atonement. Ao contrário de muitas biopics que aparecem nestas awards seasons, o mais recente filme do realizador é um dos (...)
27.Jan.18

The Disaster Artist (Um Desastre de Artista, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     Baseado na autobiografia The Disaster Artist: My Life Inside The Room, the Greatest Bad Movie Ever Made, de Greg Sestero, publicado em 2013, o filme conta a sua história como um aspirante ator que, em 1998, durante uma aula de teatro, conhece o misterioso Tommy Wiseau, igualmente determinado em alcançar uma carreira em Hollywood. Perante os obstáculos às tentativas de sucesso dos dois, estes decidem fazer o seu próprio filme, The Room (lançado em 2003), que mais tarde se (...)
22.Jan.18

Call Me by Your Name (Chama-me Pelo Teu Nome, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     Baseado no livro homónimo do André Aciman e publicado em 2007, o filme conta a história de Elio, um rapaz italo-americano de 17 anos que, como anualmente faz, passa as férias de verão de 1983 numa casa do Século XVII no Norte de Itália, enquanto o pai, um professor de Arqueologia e conhecedor de História e da cultura Greco-Romana, recebe alunos para o ajudar. Elio e Oliver, o aluno deste ano, de 24 anos, inesperadamente começam a desenvolver uma relação intensa, que (...)
16.Jan.18

Three Billboards Outside Ebbing, Missouri (Três Cartazes à Beira da Estrada, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     Uma mãe revoltada com o assassinato da sua filha adolescente, insatisfeita com o precário trabalho da polícia local, toma a decisão de alugar três cartazes à beira de uma estrada com a intenção e esperança que a investigação progrida.     O filme foi escrito e realizado pelo inglês Martin McDonagh, alguém sobre o qual nunca ouvi falar. O primeiro filme que vejo dele não podia deixar uma melhor impressão. Three Billboards Outside Ebbing, Missouri foi o vencedor do
13.Jan.18

Molly's Game (Jogo da Alta-Roda, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     Baseado na autobiografia de Molly Bloom, Molly's Game: From Hollywood's Elite to Wall Street's Billionaire Boys Club, My High-Stakes Adventure in the World of Underground Poker, Molly’s Game conta a sua história como uma decadente atleta olímpica e uma ascendente Rainha do Poker, responsável por uma das redes de jogo ilegal mais recorridas por celebridades nos EUA durante 12 anos.     O filme foi escrito e realizado pelo Aaron Sorkin, que depois de escrever excelentes (...)
10.Jan.18

Nomeados aos BAFTA 2018

Francisco Quintas
     Ontem, dia 9, foram anunciados os nomeados aos Prémios BAFTA (British Academy Film Awards), os prémios de maior prestígio da Grã-Bretanha. Maior parte dos filmes já estrearam ou ainda estrearão em Portugal (nos próximos meses). O filme que recebeu mais nomeações foi o mais recente do mexicano Guillermo del Toro, The Shape of Water. Digam-me o que acham das nomeações. Justas? Ou nem por isso? Aqui está a lista:Melhor Filme:Call Me by Your Name 
02.Jan.18

Good Time (2017) - Crítica

Francisco Quintas
     Bom 2018! Primeira crítica do ano, vamos lá! Depois de um assalto mal-sucedido, Nick, um deficiente mental, é preso. Connie, o irmão mais velho, passa a madrugada a tentar arranjar maneira de o libertar.     O filme foi realizado pelos Irmãos Josh e Benny Safdie, sendo que o Josh co-escreveu o guião com o Ronald Bronstein. Não conhecia o trabalho da dupla, mas fiquei consideravelmente impressionado. O estilo deles é muito autoral e distinto, é um estilo de cinema muito (...)