Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Vida de um Cinéfilo

Gosto de filmes, e vou falar deles, e muito ...

Gosto de filmes, e vou falar deles, e muito ...

Vida de um Cinéfilo

21
Mai17

Top 10 Melhores Filmes de 2016


Francisco Quintas

     Quase meio ano de atraso, mas tudo bem. Vamos listar os 10 melhores filmes que 2016 nos deu. O ano não foi dos melhores para determinadas grandes franchises americanas, mas foram os filmes mais inesperados (ou não) que salvaram o ano. A minha lista de filmes para ainda assistir de 2016 ainda é grande, mas vi aqueles que eu considero essenciais para se fazer uma lista. Até hoje foi um total de 78 filmes. Digam o que disserem, eu acho que este foi um dos melhores anos da década, que ainda não acabou, por isso, é so esperar por obras melhores. O Barry Jenkins aprova, portanto, vamos lá!

la-et-mn-moonlight-barry-jenkins-feature-20161006-

10º Lugar: Manchester by the Sea

     Eu adoro bons diálogos, bons personagens, e um bom conflito. Já que este ano não houve Tarantino para ninguém, tive de me contentar com este drama deliciosamente pesado, e ainda bem que assiti. Marcou definitivamente as carreiras do Casey Affleck, do Lucas Hedges e do Kenneth Lonergan. Não é para todos, mas devia ser. A enorme carga de infelicidade é contagiosa, mas se nos deixarmos levar, embarcamos numa das histórias mais comoventes do ano!

6000196785158.jpg

9º Lugar: Hacksaw Ridge (O Herói de Hacksaw Ridge)

     Mel Gibson está de volta! Já estava à espera de dizer isto há uma data de tempo. Não é só um dos filmes de guerra mais violentos e emocionantes em anos, mas sim um alívio para o género. O século 21 não deu grandes filmes de guerra que, daqui a uns anos, possam se juntar aos grandes. The Hurt Locker é overrated, não me serve. Com um lindo estudo de personagem e uma história envolvente, Mel Gibson e Andrew Garfield criaram uma das experiências mais inquietantes do ano!

8erujyyy.jpg

8º Lugar: Deadpool

     A Marvel não pára. Mesmo que alguns flops do género continuem a aparecer, Deadpool é sobretudo um alívio para o género, tanto para aqueles que já estão saturados, tanto para aqueles que querem um desenvolvimento de personagem revigorado e diversificado. O Ryan Reynolds e o Tim Miller permitiram isso. O protagonista tem um carisma inegável e uma violência de verdade para adultos que não se vê com frequência em filmes de super-heróis. Para uma boa noite de gargalhadas e entretenimento, merece ser visto!

7ajvdavw.jpg

7º Lugar: Swiss Army Man

     É verdade que muita gente saiu dos cinemas nos EUA, mas essa razão não é legítima para se dispensar esta maravilhosa obra. Swiss Army Man é comovente, engraçado, filosófico e muito original, um dos mais originais do ano, atenção. O Paul Dano continua a surpreender cada vez mais e a marcar o seu lugar como um dos atores mais underrated da sua geração, o Daniel Radcliffe foi uma surpresa ainda maior, dando uma das performances físicas mais impressionantes dos últimos anos e a melhor da sua carreira, depois de Harry Potter. Os realizadores Daniels conseguiram reservar um lugar especial no meu coração por fazerem um filme com que eu nunca imaginei que me iria identificar tanto!

swast_89_m2-0v4-0.jpg

6º Lugar: Silence (Silêncio)

     Martin Scorsese não desilude ... nunca! Apesar de ser disparada a sua obra mais pessoal e de estar longe de outras obras enormes como Raging Bull ou até mesmo The Wolf of Wall Street (outro que se tornará um clássico), é uma daquelas experiências que ficam connosco durante uma data de dias. Pode não ter sido apreciado por todos devido às suas 3 horas de duração, mas para mim, essa mesma duração provocou um sentimento semelhante ao dos personagens ... desespero. Andrew Garfield brilhou mais uma vez naquela que eu considero a sua melhor interpretação até hoje e numa direção de elenco do Scorsese, Liam Neeson, Adam Driver e Issey Ogata não ficam muito atrás. Saí do cinema com a cabeça a fervilhar completamente!

silence-2017-4.jpg

5º Lugar: Forushande (O Vendedor)

    Ainda bem que descobri o senhor Asghar Farhadi antes de fazer esta lista. Confesso que, se não fossem os Óscares, eu nem saberia da existência deste filme, mas a minha enorme curiosidade levou-me a assistir a um dos retratos mais honestos e genuínamente assustadores da natureza humana que vi no ano inteiro. O realizador mostrou com uma facilidade absurda uma capacidade espetacular de transformar um assunto aparentemente banal numa discussão de morais que fica presa na consciência de qualquer espectador. É triste, é tenso, mas acima de tudo, é importante!

THE-SALESMAN-FINAL-ART-_70X100-360x526.jpg

4º Lugar: Ah-ga-ssi (A Criada) (ler crítica)

     Estão fartos de cinema convencional e previsível? Cinema Sul-coreano é a solução. Os personagens são fantásticos, os twists são tudo menos previsíveis e o espectador é levado numa das viagens mais alucinantes do ano. Para além de ser um dos melhores thrillers que já vi na vida, é um sedutor, impiedoso, violento e hipnotizante retrato do desespero e da depressão coletiva. Aquelas 2 horas e meia passaram a voar, era bem capaz de assistir a 5 horas se fosse preciso. Pena é que o aluguer só durou 2 dias. Park Chan-wook entrou definitivamente para a minha lista de realizadores obrigatórios, algo me diz que a sua filmografia vai ser uma das minhas favoritas de sempre!

handmaiden.jpg

3º Lugar: Moonlight

     É uma pena muito grande que aquela peça nunca tenha sido lançada para o mundo. Se In Moonlight Black Boys Look Blue estreasse em Portugal, assistiria àquela peça todas as vezes possíveis. Barry Jenkins fez tudo certo aqui ... tudo, absolutamente tudo. O guião é lindo, os personagens são riquíssimos, a história é envolvente, e a estruta de 3 atos mete o público no lugar do protagonista. Há muitas razões para se considerar Moonlight como um dos futuros grandes, mas enquanto não se torna um clássico, deve ser estudado, apreciado e recomendado. Uma verdadeira obra-prima do cinema comtemporâneo!

11670_a_3073.jpg

2º Lugar: The Witch (A Bruxa)

     Mais um que fez o público sair das salas de cinema. Eu não sou muito fã do género de terror. Adoro slashers, são divertidos! Fora isso, nunca dei assim tanta importância a filmes cujo o único objetivo era assustar. Talvez não gostasse por ficar aborrecido ou por ter mesmo receio e medo. Se calhar estava apenas a procurar o filmes errados. Eu estava enganado. The Witch proporcionou-me provavelmente a noite em que mais pensei sobre um filme o ano inteiro. A pesquisa intensa e as conversas longas em busca de significado valeram a pena. Nem sei como foi possível para o Robert Eggers, um realizador tão novo, em apenas 5 anos, recriar o século XVII tão perfeitamente. A Anya Taylor-Joy e o Ralph Ineson dão um show monstruoso e o Black Philip fez-me lembrar o porquê de eu gostar de filmes sobre religião, sem necessariamente ser totalmente religioso!

the-witch-poster-big.jpg

1º Lugar: La La Land (Melodia do Amor)

     O subtítulo é idiota e desnecessário, já todos reparámos nisso. Digam o que disserem, La La Land pode não ter superado os filmes anteriores em todos os aspetos, mas foi o filme que mais me tocou pessoalmente. Apenas os Óscares me deram alguma raiva ao filme, o que foi estranho. Sim, a Isabelle Huppert merecia mais aquele Óscar que a Emma Stone. Sim, o Ryan Gosling não merecia sequer uma nomeação. Nem sequer a nomeação para Argumento Original era válida. Mas não interessa, eu gosto de musicais. O Damien Chazelle conquistou-me pela segunda vez depois de Whiplash, mas mesmo ainda gostando mais de Whiplash, La La Land foi simplesmente aquela cena. Foi a melhor experiência que tive no cinema no ano inteiro. Sai da sala a sorrir e não me lembro de sair tão satisfeito com outro filme qualquer. É por essas e outras que considero La La Land, o melhor filme de 2016!

1.jpeg

Menções Honrosas:

  • Arrival
  • Deepwater Horizon
  • Elle
  • The Edge of Seventeen
  • Ma vie de Courgette (ler crítica)
  • Moana
  • Nocturnal Animals
  • Other People (ler crítica)

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D