Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida de um Cinéfilo

Vida de um Cinéfilo

27.Jan.18

The Disaster Artist (Um Desastre de Artista, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     Baseado na autobiografia The Disaster Artist: My Life Inside The Room, the Greatest Bad Movie Ever Made, de Greg Sestero, publicado em 2013, o filme conta a sua história como um aspirante ator que, em 1998, durante uma aula de teatro, conhece o misterioso Tommy Wiseau, igualmente determinado em alcançar uma carreira em Hollywood. Perante os obstáculos às tentativas de sucesso dos dois, estes decidem fazer o seu próprio filme, The Room (lançado em 2003), que mais tarde se (...)
23.Jan.18

The Gifted S1 (2017/2018) - Crítica

Francisco Quintas
   Dentro do universo dos X-Men, uma família tipicamente americana vê-se totalmente descarrilada depois de drásticas mudanças consequentes da revelação mais inesperada das suas vidas. Os irmãos Lauren e Andy Strucker são mutantes e, juntamente com os pais Reed e Caitlin, devem lutar contra o sistema, contando com a ajuda de um enorme grupo de mutantes clandestinos.    Sendo esta apenas a primeira série da Marvel que vejo, devo admitir que fiquei impressionado. Next stop: Netflix
22.Jan.18

Call Me by Your Name (Chama-me Pelo Teu Nome, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     Baseado no livro homónimo do André Aciman e publicado em 2007, o filme conta a história de Elio, um rapaz italo-americano de 17 anos que, como anualmente faz, passa as férias de verão de 1983 numa casa do Século XVII no Norte de Itália, enquanto o pai, um professor de Arqueologia e conhecedor de História e da cultura Greco-Romana, recebe alunos para o ajudar. Elio e Oliver, o aluno deste ano, de 24 anos, inesperadamente começam a desenvolver uma relação intensa, que (...)
16.Jan.18

Three Billboards Outside Ebbing, Missouri (Três Cartazes à Beira da Estrada, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     Uma mãe revoltada com o assassinato da sua filha adolescente, insatisfeita com o precário trabalho da polícia local, toma a decisão de alugar três cartazes à beira de uma estrada com a intenção e esperança que a investigação progrida.      O filme foi escrito e realizado pelo inglês Martin McDonagh, alguém sobre o qual nunca ouvi falar. O primeiro filme que vejo dele não podia deixar uma melhor impressão. Three Billboards Outside Ebbing, Missouri foi o vencedor do Glo (...)
13.Jan.18

Molly's Game (Jogo da Alta-Roda, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     Baseado na autobiografia de Molly Bloom, Molly's Game: From Hollywood's Elite to Wall Street's Billionaire Boys Club, My High-Stakes Adventure in the World of Underground Poker, Molly’s Game conta a sua história como uma decadente atleta olímpica e uma ascendente Rainha do Poker, responsável por uma das redes de jogo ilegal mais recorridas por celebridades nos EUA durante 12 anos.      O filme foi escrito e realizado pelo Aaron Sorkin, que depois de escrever excelentes (...)
05.Jan.18

The Killing of a Sacred Deer (O Sacrifício de Um Cervo Sagrado, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
   Steven, um cardiologista de sucesso, vive tranquilamente com a família enquanto regularmente convive com o filho de um falecido paciente. Após algumas revelações, fenómenos inexplicáveis acontecem.      O filme foi escrito e realizado pelo grego Yorgos Lanthimos, responsável pelo bom The Lobster, de 2015. É um realizador muito autoral e criativo, com um enorme interesse em estudar a natureza fria, distante e insensível do ser humano. Se em The Losbter, era explorada a (...)
02.Jan.18

Good Time (2017) - Crítica

Francisco Quintas
     Bom 2018! Primeira crítica do ano, vamos lá! Depois de um assalto mal-sucedido, Nick, um deficiente mental, é preso. Connie, o irmão mais velho, passa a madrugada a tentar arranjar maneira de o libertar.      O filme foi realizado pelos Irmãos Josh e Benny Safdie, sendo que o Josh co-escreveu o guião com o Ronald Bronstein. Não conhecia o trabalho da dupla, mas fiquei consideravelmente impressionado. O estilo deles é muito autoral e distinto, é um estilo de cinema (...)
30.Dez.17

Wind River (2017) - Crítica

Francisco Quintas
     Cory, um caçador, e Jane, uma agente do FBI, unem forças para investigar um homicídio ocorrente nas largas e misteriosas montanhas de neves de Wind River, no Wyoming.     O filme foi escrito e realizado pelo Taylor Sheridan, aliás, este é apenas o seu segundo trabalho como realizador depois de escrever ótimos filmes de crime como Sicario e Hell or High Water. O seu talento para desenvolver um mistério e escrever bons diálogos é inegável. Os seus dois últimos guiões (...)
29.Dez.17

It Comes at Night (Ele Vem à Noite, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     Num cenário pós-apocalíptico, uma família luta pela sobrevivência face a um vírus altamente contagioso. Quando outra família desconhecida pede refúgio, estranhos fenómenos começam a acontecer.      O filme foi escrito e realizado pelo americano Trey Edward Shults e esta é apenas a sua segunda longa metragem, depois do ótimo directorial debut que foi Krisha, de 2016 (disponível na Netflix). E, tal como Krisha, It Comes at Night é um filme subjetivo, é uma visão (...)
28.Dez.17

American Made (Barry Seal: Traficante Americano, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     O filme conta a história real de Barry Seal, um piloto comercial que, em 1978 começou a trabalhar para a CIA e, no futuro, para Pablo Escobar, numa relação de trocas de armas e droga.      O filme foi realizado pelo Doug Liman, responsável pelo ótimo Edge of Tomorrow, de 2014, e pelo apenas “ok” The Wall, deste ano. Perdoem-me, nunca vi nada do Jason Bourne. Algo que este consegue fazer facilmente aqui é injetar o mínimo de interesse numa história pouco conhecida (...)