Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vida de um Cinéfilo

Vida de um Cinéfilo

It Comes at Night (Ele Vem à Noite, 2017) - Crítica

     Num cenário pós-apocalíptico, uma família luta pela sobrevivência face a um vírus altamente contagioso. Quando outra família desconhecida pede refúgio, estranhos fenómenos começam a acontecer.

ItComesAtNight-1920x1080.jpg

     O filme foi escrito e realizado pelo americano Trey Edward Shults e esta é apenas a sua segunda longa metragem, depois do ótimo directorial debut que foi Krisha, de 2016 (disponível na Netflix). E, tal como Krisha, It Comes at Night é um filme subjetivo, é uma visão pessoal do realizador sobre diversos assuntos. Depois de assistir a algumas entrevistas e declarações do próprio, soube que este começou a escrever o filme durante o adoecimento do seu falecido pai. Por isso, nota-se o enorme interesse em explorar determinados temas mórbidos aqui. O filme foi desprezado por grande parte do seu público devido aos posters e trailers, que prometiam algo que o realizador nunca esteve disposto a mostrar ou sequer a perder tempo a desenvolver. It Comes at Night vai desiludir e irritar muita gente por causa disso, enquanto deslumbrará cinéfilos sedentos por algo diferente e mais original. Lembram-se de The Witch, do ano passado? Pois é, o caso foi exatamente o mesmo.

     Por muito bons que filmes como The Conjuring, do James Wan, possam ser, é sempre preferível que filmes de terror coloquem perguntas sem respostas certas e que mantenham o mistério após o seu visionamento ou depois de se discutirem teorias. O Trey Edward Shults desenvolve os seus personagens, o seu conflito e os diversos plot holes que não recebem conclusão alguma. Este afirmou que omitiu deliberadamente muita informação que apenas ficou na sua cabeça. Mas porquê?

la-et-mn-it-comes-at-night-review-20170608.jpg

     Fundamentalmente, It Comes at Night é um filme sobre medo, sobre a paranoia coletiva, sobre o pânico surgente dos pesadelos que “vêm à noite”, sobre mentiras, desconfianças crescentes no meio de desconhecidos e, claro, sobre o desespero de uma família e a sua respetiva luta pela sobrevivência. É verdade, já muitos filmes abordaram estes temas, mas nenhum desta maneira. O realizador enfia a câmara na cara dos atores e usa diversas resoluções de planos para tornar o filme o mais claustrofóbico possível. Há até uma ligeiramente plausível discussão sobre a realidade em que acreditamos, à lá Inception. No entanto, o engenho técnico do realizador não é nada limitado. Face aos inúmeros planos fechados, existem muitos outros largos planos da densa, áspera e assustadora floresta. Os planos apertados são novamente usados dentro daquela casa cheia de camadas e revelações. Os corredores são estreitos e, devido à quase ausente iluminação, o medo gerado é ainda maior.

     A fotografia do estreante Drew Daniels é impressionante. As composições capturadas são memoráveis e, dentro de toda a falta de vivacidade daquela atmosfera pós-apocalíptica, o vermelho é chocante e muito interessante. E a banda sonora do também estreante Brian McOmber, mesmo não muito memorável, contribuiu para aquela rápida sensação de desconforto praticamente sempre presente.

     O elenco está impecável! O maior destaque é o Joel Edgerton, que se tem superado em cada filme que faz. Não será com este, mas o ator ainda vai ganhar um Óscar! Esta, sem dúvida, é uma das suas melhores interpretações até hoje. O seu personagem é um rígido e extremamente cauteloso homem de família preocupadíssimo com a manifestação da desconhecida peste/doença e que, posteriormente, segue as suas regras religiosamente. E por muitas atitudes imorais que este tome, é impossível ficarmos 100% contra ele, pois sabemos que este quer somente proteger quem ama.

MV5BMjkwZWI2Y2ItZDU4ZC00YjY0LWJhMTUtZmIwODk1MTRhN2

     O Kelvin Harrison Jr. está ótimo! O personagem lembrou-me muito o do Daniel Kaluuya, no filme Get Out (ler crítica), deste ano. É o olho do público, este sabe exatamente tudo aquilo que sabemos e é impossível não criar um senso de jornada com ele. As suas incertezas e surpresas são iguais às do público.

MV5BNTA4ZTg3MTgtN2JkOC00MWRlLWEwZDUtOWE0OWQ0M2FkNj

     Já a Carmen Ejogo podia ter uma participação mais significativa. Ela tinha potencial para se tornar numa personagem com mais peso, mas infelizmente recebe pouco tempo face ao seu talento. Felizmente, a Riley Keough e o Christopher Abbott fornecem uma maior carga de mistério muito bem-vinda à trama e são uma excelente dupla, contribuindo assim para o estudo proposto.

MV5BMWNhMjI1YjktMTRlNC00MmFhLWJiNDUtOTMzNzhlNDc5ZT

     It Comes at Night é um exemplo perfeito de como se deve fazer um bom e independente filme de terror sem apelar aos clichês mais baratos do género. Tem ótimas interpretações, um bom estudo central e um terceiro ato irretocável.

 

Nota: A

Também podes ler a crítica no Cinema Pla'net.

 

Se estiveres a gostar do blog, não te esqueças de me seguir no Facebook, no Twitter e no Blogspot. Obrigado!

 

3 comentários

Comentar post