Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida de um Cinéfilo

Vida de um Cinéfilo

15.Fev.19

As evidências de um marketing excessivo

Francisco Quintas
A Internet veio disponibilizar uma nova (e complexamente diversificada) forma de publicitar seja o que for. Qualquer distribuidora pode lançar os seus trailers, canais de YouTube vivem à custa da propaganda desses mesmos, sites mantém-se rentáveis graças às notícias provenientes das proporcionadas novidades e milhões de espectadores se podem deliciar (ou não) quando veem alguns segundos (de preferência não comprometedores) dos filmes, séries ou até músicas que mais esperam (...)
25.Jan.19

Óscares - a perda de credibilidade

Francisco Quintas
Em 2014, assisti pela primeira vez à cerimónia dos máximos prémios da Sétima Arte. A alegre e sarcástica Ellen DeGeneres foi a escolhida para liderar o evento e marcou a sua presença pela segunda vez, depois de segurar a noite de 2007. Ficou difícil não me afeiçoar ligeiramente àquela atmosfera. Porque é que desgostaria do que estava a ver? Tinha uma apresentadora minimamente audaciosa a largar pequenas provocações à plateia cheia de estrelas consagradas e seleções de (...)
24.Jan.19

Stranger Things S1 – requisitar o irresistível supérfluo

Francisco Quintas
No meio da oferta televisiva e cinematográfica de uma incontrolável escala que temos recebido nos últimos anos, para além de produzir ou assistir a conteúdo inteiramente visionário ou original, fica difícil para os espectadores se decidirem entre aquilo que escolhem para sessões de binge-watching. Sem grandes rodeios hoje, aquilo que apenas pretendo constatar é: todos nós gostamos de voltar à nossa infância.Quem é que pediu as sequelas dos filmes da Pixar? Quem é queria mesmo (...)
18.Jan.19

Acendalha Datilográfica #1 – Fences

Francisco Quintas
Vou abrir mais um espaço. Este irá ser somente uma transcrição dos melhores diálogos que se me entrarem nos meus ouvidos de cinéfilo. A primeira entrada é uma das cenas mais marcantes da terceira longa-metragem do Denzel Washington. Diretamente do teatro e cheia de excelência.CoryCan I ask you a question?TroyWhat the hell you got to ask to me? Mr. Stawicki’s the one you got the questions for.CoryHow come you ain’t never liked me?TroyLike you? Who the hell said I got to like (...)
05.Nov.17

São Jorge (2017) - Crítica

Francisco Quintas
   2011, o primeiro ano da Troika em Portugal, são inúmeros os casos de endividamento de empresas e famílias e os planos de restruturação económica no país. Jorge, um pugilista falhado e endividado, consegue um trabalho como cobrador de dívidas e, ironicamente, começa a cobrar aqueles que, tal como ele, se vêm abraçados a dívidas.     O filme foi escrito e realizado pelo Marco Martins, responsável por Alice, de 2005 e Como Desenhar um Círculo Perfeito, de 2010, um (...)
17.Jun.17

Kevin Hart: What Now? (2016) - Crítica

Francisco Quintas
   Pode parecer que este filme não mereça uma crítica como as outras, só que comparando um filme de concerto/stand-up/documentário deste género com um, por exemplo, do Robin Williams não é fácil. O Kevin Hart teve uma ideia que me ajudou a querer ver este filme.     O stand-up comedian Kevin Hart atua à frente de um público composto por 50 000 pessoas no Lincoln Financial Field em Filadélfia.     Portanto, o início trata-se de uma paródia dos filmes do James Bond. O (...)
17.Jun.17

Gold (Ouro, 2016) - Crítica

Francisco Quintas
     Este filme foi um flop absoluto. Com um orçamento de 20 milhões de dólares, o que para Hollywood é baixíssimo, conseguiu fazer apenas pouco mais do que 11 milhões no mundo inteiro. E como se já não fosse mau, teve um rating de apenas 43% no Rotten Tomatoes. O filme não foi o melhor do ano, mas é bom o suficiente para não ser tão desprezado.     Baseado no caso real de 1993, Kenny Wells, um explorador desesperado por um rasgo de sorte, decide começar uma busca por (...)
16.Jun.17

I Am Not Your Negro (Não Sou o Teu Negro, 2016) - Crítica

Francisco Quintas
    Esta crítica vai ser bem mais curta do que o habitual. Não é meu costume ver documentários, não é um género que me chame muito à atenção. Agora eu não podia ignorar um filme cujo narrador era Samuel L. Jackson e que foi massivamente elogiado e premiado em tudo o que era festival.    Baseado no manuscrito de memórias inacabado Remember This House do escritor e crítico social James Baldwin, o filme aborda os pensamentos pessoais do autor sobre o racismo na América (...)
15.Jun.17

A United Kingdom (Um Reino Unido, 2016) - Crítica

Francisco Quintas
    Ava DuVernay, Mira Nair e agora Amma Asante. Dizem que a indústria cinematográfica continua a ser muito machista e racista. Estas três realizadoras de raças diferentes permitirão um dia que passe a existir uma Hollywood mais aberta e que produza menos whitewashing, esse é um sonho antigo.    Baseado no livro Colour Bar da Susan Williams lançado em 2006, o filme passa-se em Londres, em 1947, e conta a história real do romance inter-racial entre a secretária inglesa Ruth e (...)
13.Jun.17

Neruda (2016) - Crítica

Francisco Quintas
    2016 foi um dos anos mais virtuosos para o cinema estrangeiro contemporâneo, provou-se extremamente essencial para a cada vez maior atenção que filmes como este devem receber. Chega de Hollywood, filmes estrangeiros é o que está a dar.    Trata-se de um filme franco-chileno que acompanha o inspetor Óscar Pelochonneau, que perseguiu Pablo Neruda, o poeta chileno vencedor de um prémio Nobel, que se torna fugitivo nos anos 40 por se juntar ao Partido Comunista.    O filme é (...)