Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida de um Cinéfilo

Vida de um Cinéfilo

05.Nov.17

São Jorge (2017) - Crítica

Francisco Quintas
   2011, o primeiro ano da Troika em Portugal, são inúmeros os casos de endividamento de empresas e famílias e os planos de restruturação económica no país. Jorge, um pugilista falhado e endividado, consegue um trabalho como cobrador de dívidas e, ironicamente, começa a cobrar aqueles que, tal como ele, se vêm abraçados a dívidas.     O filme foi escrito e realizado pelo Marco Martins, responsável por Alice, de 2005 e Como Desenhar um Círculo Perfeito, de 2010, um (...)
04.Set.17

Índice Médio de Felicidade (2017) - Crítica

Francisco Quintas
     O cinema nacional é uma montanha russa, por vezes temos a rara sorte de encontrar uma jóia do mercado independente, por vezes o filme com o maior orçamento consegue ser o mais dececionante.     Baseado no livro homónimo escrito por David Machado, publicado em 2013, o filme começa em Lisboa, em 2012, e relata a luta individual de Daniel contra o desemprego. Meses passam e este decide começar uma viagem pela estrada com os filhos e amigos, em busca de reavaliar os seus (...)
14.Jun.17

Malapata (2017) - Crítica

Francisco Quintas
    O cinema nacional é inconsistente. Este ano, São Jorge superou todas as minhas expectativas, mas Jacinta apenas suportou a minha ideia de que é quase impossível afastar o formato das novelas do cinema. Comédias é o forte de Portugal, ou se calhar talvez não.     Depois de ganhar a lotaria, dois colegas de trabalho têm o pior dia das suas vidas assim que se envolvem numa data de acontecimentos inesperados e lamentáveis.   O filme é escrito e realizado pelo Diogo Morgado
08.Mai.17

Jacinta (2017) - Crítica

Francisco Quintas
     As formatações de séries para o cinema normalmente não costumam resultar. Bairro é um exemplo, somando isso ao facto que também é uma série da TVI. Mesmo este filme estar a ser mostrado no cinema antes de estar no formato de minissérie na televisão, já era de espera que houvessem muitos buracos no guião.     A história passa-se em 1917, na Cova da Iria, em Fátima, e é contada do ponto de vista dos três pastorinhos, concentrando-se mais na Jacinta, a mais nova, (...)