Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida de um Cinéfilo

Vida de um Cinéfilo

07.Mai.19

Menina – inquietado reconforto

Francisco Quintas
O inconfundível chamamento maternal do outro lado da estrada não ilumina os olhos da pequena Luísa Palmeira da maneira como esta gostaria, da maneira como esta observa as mães das colegas, cidadãs francesas na sua íntegra, acolhidas pelos braços bem-dispostos e carinhosos de uma mulher abrigada com elegantes e sedosas peças de vestuário, a recolher as suas descendentes depois de um cansativo dia de trabalho, fornecido por uma sociedade europeia “mais à frente”, sempre (...)
17.Abr.19

Snu – uma vontade de ajudar a mudança

Francisco Quintas
Quando me coloco a imaginar nas possíveis merecidas adaptações cinematográficas das histórias de figuras portuguesas, a resposta que recebo é geralmente a mesma: “É preciso que haja público para isso…”. Pois bem, certamente que um filme sobre o mais carismático rosto da política nacional seja um atraidor de números, sobretudo para as envelhecidas diferentes faixas etárias que pesadamente compõe este país, acima, claro, às reduzidas taxas de natalidade que, por sinal, (...)
05.Nov.17

São Jorge (2017) - Crítica

Francisco Quintas
   2011, o primeiro ano da Troika em Portugal, são inúmeros os casos de endividamento de empresas e famílias e os planos de restruturação económica no país. Jorge, um pugilista falhado e endividado, consegue um trabalho como cobrador de dívidas e, ironicamente, começa a cobrar aqueles que, tal como ele, se vêm abraçados a dívidas.      O filme foi escrito e realizado pelo Marco Martins, responsável por Alice, de 2005 e Como Desenhar um Círculo Perfeito, de 2010, um (...)
04.Set.17

Índice Médio de Felicidade (2017) - Crítica

Francisco Quintas
     O cinema nacional é uma montanha russa, por vezes temos a rara sorte de encontrar uma jóia do mercado independente, por vezes o filme com o maior orçamento consegue ser o mais dececionante.      Baseado no livro homónimo escrito por David Machado, publicado em 2013, o filme começa em Lisboa, em 2012, e relata a luta individual de Daniel contra o desemprego. Meses passam e este decide começar uma viagem pela estrada com os filhos e amigos, em busca de reavaliar os seus (...)
14.Jun.17

Malapata (2017) - Crítica

Francisco Quintas
    O cinema nacional é inconsistente. Este ano, São Jorge superou todas as minhas expectativas, mas Jacinta apenas suportou a minha ideia de que é quase impossível afastar o formato das novelas do cinema. Comédias é o forte de Portugal, ou se calhar talvez não.      Depois de ganhar a lotaria, dois colegas de trabalho têm o pior dia das suas vidas assim que se envolvem numa data de acontecimentos inesperados e lamentáveis.    O filme é escrito e realizado pelo Diogo Morgado (...)
03.Jun.17

Perdidos (2017) - Crítica

Francisco Quintas
     A verdade é que maior parte dos remakes que surgem hoje são simples cash grabers e raramente são planeados para fazer alguma coisa nova com o material que têm. Vemos isto a acontecer com mais frequência em Hollywood e nem tanto na Europa nem muito menos em Portugal. Portugal apenas aderiu também a esta modinha em 2015 quando começou a fazer aqueles remakes de comédias clássicas. Será que este é uma exceção? Vamos descobrir.     Um grupo de amigos juntam-se em Porto (...)
08.Mai.17

Jacinta (2017) - Crítica

Francisco Quintas
     As formatações de séries para o cinema normalmente não costumam resultar. Bairro é um exemplo, somando isso ao facto que também é uma série da TVI. Mesmo este filme estar a ser mostrado no cinema antes de estar no formato de minissérie na televisão, já era de espera que houvessem muitos buracos no guião.      A história passa-se em 1917, na Cova da Iria, em Fátima, e é contada do ponto de vista dos três pastorinhos, concentrando-se mais na Jacinta, a mais nova, (...)