Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida de um Cinéfilo

Vida de um Cinéfilo

22.Mai.19

Acendalha Datilográfica #7 - The Great Dictator

Francisco Quintas
Ainda me lembro da primeira vez que assisti a “The Great Dictator”. Pena foi conhecer posteriormente a infeliz carreira do seu autor. Após as primeiras exibições do filme de 1940, Charlie Chaplin, cara essa arremessada pelos piores insultos nas salas de cinema, foi expulso dos Estados Unidos, país que o acolheu com tamanha admiração nas primeiras décadas do século XX e que, com agravantes paranoias e perante a desnecessariamente alarmista luta contra o comunismo, o expulsou, (...)
14.Mai.19

Last Flag Flying – por uma sincera gargalhada

Francisco Quintas
Assombrados funebremente por tanta miséria expressa na forma de derribadas gravatas negras, mãos levemente acariciadas e partilhadas, infinitas e pesadas lágrimas, ensopados lenços de papel e lutuosas lamúrias, os casais choram ao observar a chegada dos caixões dos filhos a um desalentado e cinzento aeroporto militar em Dezembro de 2003, após uma violência sem requisição os ter caçado e impedido de rever o acolhedor e caloroso lar, na esperança de encontrar novamente a família (...)
03.Fev.18

Darkest Hour (A Hora Mais Negra, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     O filme começa em Maio de 1940, na Inglaterra, e segue os esforços desesperados do recente primeiro-ministro Winston Churchill que, depois da sua inesperada e indesejada eleição, mede forças com os membros do Parlamento Inglês, com a Alemanha e com ele próprio.    O filme foi realizado pelo inglês Joe Wright, responsável por Pride & Prejudice e Atonement. Ao contrário de muitas biopics que aparecem nestas awards seasons, o mais recente filme do realizador é um dos (...)
03.Dez.17

First They Killed My Father (Primeiro, Mataram o Meu Pai, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
  Baseado na autobiografia First They Killed My Father: A Daughter of Cambodia Remembers, publicado em 2000 pela ativista Loung Ung, o filme decorre no Camboja, em 1975, e conta a sua história enquanto uma menina cambojana de 7 anos, que se vê mergulhada dentro da revolução comunista no sudeste asiático.      O filme foi realizado pela Angelina Jolie que, juntamente com a autora, também adaptou o material para o guião. Como se pode comprovar, a atriz finalmente se estabeleceu (...)
07.Out.17

Wonder Woman (Mulher-Maravilha, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     É muito importante que as mulheres continuem a ganhar protagonismo no cinema. A verdade é que a indústria de Hollywood ainda é machista e tem alguns complexos por resolver. Obrigado Patty Jenkins por nos dares o melhor filme do DCEU (até agora) e pela encantadora dose de girl power!      Durante a 1ª Guerra Mundial, Diana, princesa das Amazonas, dá de caras com um piloto americano e descobre os conflitos que decorrem no mundo. Depois de tantos anos a treinar para ser a (...)
30.Set.17

War Machine (Máquina de Guerra, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     A Netflix já provou ser mais que capacitada para fazer boas sátiras sobre a sociedade americana. War Machine não é das melhores, mas com o carisma do Brad Pitt é difícil ficar insatisfeito.     Baseado no livro de não-ficção The Operators, escrito por Michael Hastings e publicado em 2012, o filme acompanha o general americano Glen McMahon, que, em 2010, contra os inimigos e aliados, ambiciona uma operação de renovação no Afeganistão.      O filme foi escrito e (...)
09.Set.17

The Zookeeper's Wife (O Jardim da Esperança, 2017) - Crítica

Francisco Quintas
     No que diz respeito a traduzir títulos estrangeiros, Portugal safa-se melhor que o Brasil. Esta foi uma inesperada exceção. No Brasil, este filme virou O Zoológico de Varsóvia. Em Portugal, O Jardim da Esperança. Enfim …     Baseado no livro homónimo de não-ficção escrito por Diane Ackerman, publicado em 2007, o filme conta a história do casal de zoólogos Jan e Antonina Żabiński que, em 1939, durante plena invasão alemã na Polónia, decidiu ajudar e esconder (...)
22.Jul.17

Dunkirk (2017) - Crítica

Francisco Quintas
   Chega-nos mais um filme que prova que Christopher Nolan é um dos realizadores mais subvalorizados da atualidade. Parecem gostar muito dele, ainda assim, ele não é só “aquele que fez o Batman”, é sim um dos melhores a exercer a sua profissão.     O filme decorre em Dunquerque, em 1940, e segue o exército inglês e as tentativas da marinha e dos civis de resgatar os soldados para a Inglaterra.      O filme foi escrito e realizado pelo Christopher Nolan. Estar o nome (...)
03.Mai.17

Billy Lynn's Long Halftime Walk (Billy Lynn: A Longa Caminhada, 2016) - Crítica

Francisco Quintas
     É curioso que um filme do Ang Lee não estreie em Portugal. Ainda por mais quando falamos de um realizador tão elogiado e apreciado em todo o mundo. Mas há uma explicação. O filme chegou ao videoclube em Portugal e foi um absoluto flop no seu país (tanto financeiro como falando das críticas). O realizador tinha 40 milhões de dólares e decidiu gravar com uma tecnologia que permitia 120 frames por segundo, algo que existe apenas em 2 cinemas na América. No seu primeiro (...)