Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida de um Cinéfilo

Vida de um Cinéfilo

22.Mai.19

Acendalha Datilográfica #7 - The Great Dictator

Francisco Quintas
Ainda me lembro da primeira vez que assisti a “The Great Dictator”. Pena foi conhecer posteriormente a infeliz carreira do seu autor. Após as primeiras exibições do filme de 1940, Charlie Chaplin, cara essa arremessada pelos piores insultos nas salas de cinema, foi expulso dos Estados Unidos, país que o acolheu com tamanha admiração nas primeiras décadas do século XX e que, com agravantes paranoias e perante a desnecessariamente alarmista luta contra o comunismo, o expulsou, (...)
01.Mai.19

Acendalha Datilográfica #6 – The Dark Knight

Francisco Quintas
Christopher Nolan gosta de inquietar. Toda a filmografia do cineasta (atualmente na pré-produção de um novo projeto encabeçado por um simpático elenco) assenta no breve ou complexo retrato dos mais alienados ou danificados estados da Humanidade. Não isentos de momentos de consolidação, os 10 filmes do realizador destacam-se pela respetiva filosofia, autoral ou emprestada, de maneira a colocar permanente um dilema moral na cabeça do público, especialmente plantado a partir do arco (...)
12.Abr.19

Acendalha Datilográfica #5 - Blade Runner

Francisco Quintas
Poucas são as histórias que iniciam uma discussão sobre a humanidade e a respetiva composição moral e espiritual da mesma forma que “Blade Runner”, discutivelmente o pilar do cinema de ficção científica, ao lado de “2001: A Space Odyssey”. Na conceção de um cenário futurista onde a raça dominante perdeu a sua essência, Rutger Hauer, ao auxílio do incomparável imaginário de Ridley Scott, entrega-se inconfundivelmente a um dos personagens antagónicos mais marcantes (...)
22.Mar.19

Acendalha Datilográfica #4 – Call Me by Your Name

Francisco Quintas
Muitas são as críticas que preferia atirar para a lareira. Não digo que a respetiva da quarta edição da Acendalha Datilográfica seja necessariamente uma atrocidade, mas meramente merecedora de diversos retoques avaliativos e/ou criteriosos. Mas, enfim, há tanta coisa para escrever. Nomeadamente, hoje. A questão é, mesmo nos seus momentos mais silenciosos, introspetivos ou flexivamente interpretativos, quão menos profunda seria a autenticidade de uma das obras máximas de Luca (...)
01.Mar.19

Acendalha Datilográfica #3 – Breaking Bad

Francisco Quintas
Muito dificilmente continuaria esta rubrica sem mostrar um diálogo de “Breaking Bad”. São inúmeros aqueles que hoje sei de cor de trás para a frente. Talvez aquele que melhor transmite a ideia da mudança do protagonista e anti-herói é um pequeno dos muito regulares confrontos no quarto do casal principal, durante a quarta temporada. Curto e grosso. Fez-se história na televisão, meus amigos. Neste momento e noutros tantos. Sugerido:
08.Fev.19

Acendalha Datilográfica #2 – Birdman (or the Unexpected Virtue of Ignorance)

Francisco Quintas
Poucas (ou nenhumas) foram as vezes em que falei sobre “Birdman”. Este, que é facilmente o meu filme preferido de sempre, suscitou a minha (quase irracional) vontade de aprofundar os meus conhecimentos de cinema o máximo que podia. Nem sei se alguma vez escreverei inteiramente sobre a obra-prima do Alejandro González Iñarritu, portanto, de qualquer maneira, está aqui uma cena (uma das melhores, por sinal). Cinéfilos concordarão comigo quando afirmo que uma cena fenomenal é (...)
18.Jan.19

Acendalha Datilográfica #1 – Fences

Francisco Quintas
Vou abrir mais um espaço. Este irá ser somente uma transcrição dos melhores diálogos que se me entrarem nos meus ouvidos de cinéfilo. A primeira entrada é uma das cenas mais marcantes da terceira longa-metragem do Denzel Washington. Diretamente do teatro e cheia de excelência. Cory Can I ask you a question? Troy What the hell you got to ask to me? Mr. Stawicki’s the one you got the questions for. Cory How come you ain’t never liked me? Troy Like you? Who the hell said I got to (...)
04.Abr.17

Ensaios

Francisco Quintas
Aqui estão artigos especias acerca de aspetos específicos de conteúdos audiovisuais que mereceram análises (nomeadamente personagens), distintos da tradicional crítica de filmes recentes ou clássicos: Gustavo Fring Jesse Pinkman